Desinteiro

Jogando capoeira por cima dos passos de Arnaldo Xavier (1948-2004), poeta negro ainda incompreendido pela nossa crítica, que não sabia lidar com a sua inventiva heterodoxa, Guellwaar Adún brinca de poliglossia, sublinhando a característica multilingual dos africanos e de toda negritude na diáspora. Num gesto lúdico, ludibria, com a cabriola ligeira, o óbvio que mata a palavra, e assume arnaldianamente uma herança que se firma e repensa no corpo da linguagem. Estamos diante de um livro que assume a lacuna como método de construção e de mediação simbólica. É um livro íntegro, e cheio de ausências. Portanto, não é um livro fácil, afinal, para adentrar a Porteira não basta pedir licença, é preciso merecê- la.

R$35,00

Peso 0.27 kg

1 avaliação para Desinteiro

  1. Ygor Schimidel

    Wow… não li mas já quero muito. Isso é muito nítido na Bahia, a expressão pela lacuna, e academicamente é quase impossível argumentá-la sem se confundir com a confusão dos vazios pós-modernos Europeus, de uma racionalidade insensibilizada libidinosa e sistematicamente ao longo dos últimos três séculos pra dizer pouco… rs… vai desculpando a ousadia. Entrar com cuidado nágua. Tudibomproces!

Adicionar uma avaliação

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *